OMEGA-3+D3+K2-7: a combinação perfeita

Nutribiolite OMEGA-3+D3+K2-7 é uma fórmula que fornece óleo de peixe concentrado em ácidos gordos polinsaturados essenciais Omega 3 e vitaminas D3 y vitamina K2-7:

Composição:

  • Óleo de peixe OMEGATEX® proveniente de fontes renováveis e concentrado em 80% em ómega 3 totais, 50% em EPA (ácido eicosapentaenóico) e 25% em DHA (ácido docosahexaenóico).
  • Vitamina D3 (colecalciferol) com 1000 UI por dose (500% da VNR) da DSM Nutritional products®. O colecalciferol é a forma de vitamina D mais efetiva, devido a sua conversão mais eficiente em calcifediol no organismo. A outra forma de vitamina D é a denominada vitamina D2 ou ergocalciferol. A potencia da vitamina D2 é inferior a um terço da vitamina D3 e a sua ação no organismo é de menor duração [1].
  • Vitamina K2 da K2VITAL®, (67 % da VRN) numa dose segura para uma suplementação diária. A vitamina K2 da K2VITAL® vem sob a forma de menaquinona-7 (MK-7 ou K2-7), a forma mais bioativa desta vitamina.

Neste artigo de divulgação, faz-se um pequeno resumo das conclusões de alguns artigos científicos recentes, publicados em revistas da especialidade com revisão por pares, que descrevem as propriedades benéficas da suplementação combinada destes 3 nutrientes.

Os ácidos gordos essenciais Omega-3 e Omega-6

Os ácidos gordos polinsaturados (AGP) essenciais são micronutrientes muito importantes, que não podem ser sintetizados pelo organismo e, portanto, devem ser obtidos de maneira exógena (externamente) através da dieta. Esses micronutrientes são classificados em AGPs Omega-3 e Omega-6, de acordo com suas características estruturais (com base na localização do carbono envolvido na primeira ligação dupla a contar a partir do final da cadeia carbonada). Os ácidos gordos Omega-9 são monoinsaturados (apresentam uma única ligação dupla na cadeia carbonada) e não são essenciais, pois podem ser sintetizados pelo corpo humano.

Clique na imagem para ampliar

Os AGPs Omega 3 e Omega 6 são importantes componentes estruturais dos fosfolipídios que constituem as membranas celulares. São também necessários para o bom funcionamento do organismo e por isso é importante que os incorporemos na alimentação nas devidas proporções. Infelizmente, ao longo da evolução humana, mudamos drasticamente as proporções de AGPs Omega-3 e Omega-6 consumidas. Essa mudança contribuiu para a denominada epidemia de doenças modernas. A alta ingestão de AGPs Omega-6 está associada ao aumento da incidência de doenças inflamatórias, como doenças cardiovasculares, cancro, diabetes, obesidade, doenças auto-imunes, asma, depressão, entre outras. Assim, como nossas dietas já tendem a um maior consumo de AGPs Omega-6, devemos não apenas aumentar a quantidade de AGPs Omega-3 em nossa dieta, mas diminuir progressivamente a ingestão de AGPs Omega-6, eliminando os alimentos processados e reduzindo o consumo de óleos vegetais como soja, milho e girassol. Desta forma podemos restaurar o equilíbrio AGPs Omega-3 / Omega-6, essencial na prevenção e tratamento de doenças crónicas.

As propriedades anti-inflamatórias dos ácidos gordos DHA e EPA

O primeiro expoente dos AGPs Omega-3 é o ácido α-linolénico (ALA) que, por meio das enzimas Δ-5 e Δ-6  dessaturasas e elongasas, pode ser transformado em ácido eicosapentaenóico (EPA) e, posteriormente, em ácido docosahexaenóico (DHA). O EPA e o DHA participam em vias metabólicas que têm como produto final as prostaglandinas da série 3, com actividade anti-inflamatória. Na verdade, o EPA e o DHA têm sido o foco de interesse em um grande número de trabalhos de investigação devido às propriedades anti-inflamatórias e citoprotectoras bem caracterizadas [2-4]. Ao contrário, os AGPs Omega-6 participam em vias metabólicas que terminam na síntese de agentes pró-inflamatórios. O primeiro expoente do AGP Omega-6 é o ácido linoléico (LA), que é transformado em ácido araquidónico (AA), que por sua vez leva a uma família de metabólitos pró-inflamatórios, como as prostaglandinas da série 2, um poderoso mediador da inflamação, da dor e da febre. [5, 6].

Clique na imagem para ampliar

As dietas ricas em EPA e DHA provenientes dos AGPs Omega 3, produzem um aumento destes no interior das membranas celulares, principalmente no caso dos linfócitos. A traves de um simples efeito de competição, uma dieta mais rica em EPA e DHA, reduzir a proporção de AA nas membranas celulares, o que consequentemente diminui a formação de produtos pró-inflamatórios derivados do AA no organismo [7, 8] A suplementação na dieta com EPA e DHA também é capaz de reduzir a produção de citocinas pró-inflamatórias, como interleucina-1, interleucina-6, interleucina-8 e o factor de necrose tumoral-α (TNF-α), que são liberadas aquando da activação de macrófagos e monócitos [9]. O excesso de actividade dessas substâncias contribui para a inflamação patológica, situação observada na inflamação intestinal crónica [10], na artrite reumatóide [11], entre outras patologias inflamatórias. O TNF-α tem um papel importante no desenvolvimento da caquexia em pacientes com câncer [12]. Nesse sentido, a suplementação com EPA e DHA pode reduzir a produção de citocinas inflamatórias e os efeitos do TNF-α [13].

Os AGPs Omega-3 são encontrados principalmente em peixes gordos como o salmão, a cavala, o atum, o arenque e a sardinha e também em moluscos. As nozes e as sementes apresentam Omega 3, no entanto, são compostas principalmente de ALA. O ALA precisa ser convertido em EPA ou DHA, caso contrário será simplesmente utilizado na produção de energia. O processo de conversão de ALA em EPA e DHA é ineficaz no caso dos seres humanos. Apenas uma pequena percentagem de ALA é convertida em EPA e menos ainda no caso do DHA [14-17].

Em 2012, o Painel Científico de Produtos Dietéticos, Nutrição e Alergias da Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) emitiu um novo parecer sobre o nível máximo de ingestão de EPA e DHA, onde concluiu que a ingestão suplementar combinada de DHA e EPA até 5 g/dia, ingestão suplementares de EPA até 1,8 g/dia e ingestão suplementar de DHA até 1 g/dia, não representam um risco de segurança para a população adulta [18, 19]. Além disso, recomendou uma ingestão diária de EPA e DHA, com base em considerações de risco cardiovascular, para adultos europeus entre 250 mg e 500 mg por dia [19].

O óleo de peixe de qualidade PREMIUM de Nutribiolite OMEGA-3 + D3 + K2-7

O óleo de peixe do nosso OMEGA-3 + D3 + K2-7 é de qualidade PREMIUM e altamente concentrado em EPA e DHA. Cada dose fornece 500 mg de EPA e 250 mg de DHA, de acordo com as recomendações de ingestão diária da EFSA. Além disso, a fórmula do OMEGA-3 + D3 + K2-7 também fornece as vitaminas D3 e K2-7, das quais falaremos a seguir, e que conferem a este produto um efeito benéfico e sinérgico, conforme descrito nas publicações mais recentes disponíveis na bibliografia científica.

A maioria dos suplementos alimentares à base de óleo de peixe tem uma concentração de AGP Omega-3 de 35% a 50%. Ou seja, de cada 1000 mg de óleo de peixe, estão disponíveis 350 mg a 500 mg de AGPs Omega-3. O óleo de peixe do OMEGA-3 + D3 + K2-7 da Nutribiolite é de qualidade premium e grau farmacêutico da marca OMEGATEX® e obtido a partir de um método avançado de purificação e extracção denominado FLUTEX ®, que combina tecnologias inovadoras no campo da química verde. Essa tecnologia permite a extracção, purificação, separação e concentração dos AGPs Omega-3, atingindo uma concentração final em AGPs Omega-3 de 80%. Este processo não necessita de solventes, altas temperaturas ou outras condições agressivas que dão origem a isómeros e outros contaminantes indesejáveis. Além disso, é importante referir que o nosso óleo de peixe é produzido em Espanha, pela empresa SOLUTEX ®, uma das empresas mais importantes do sector de produção de óleo de peixe a nível mundial.

O óleo de peixe Nutribiolite OMEGA-3 + D3 + K2-7 permite um alto grau de eficácia na suplementação. Devido à sua alta concentração de EPA (50%) e DHA (25%), em apenas 1000 mg de óleo de peixe e usando cápsulas de gel muito pequenas, nosso produto fornece 800 mg de Omega-3 total, 500 mg de EPA e 250 mg de DHA. Desta forma, podemos oferecer aos nossos clientes uma suplementação muito confortável e seguindo as recomendações da EFSA acima mencionadas.

Además, el OMEGA-3+D3+K2-7 é também composto por por 1000 UI (500% da VRN) de Vitamina D , sob a forma de colecalciferol ou vitamina D3, a forma bioativa desta vitamina. Nosso fornecedor de vitamina D3 é a DSM Nutritional products®, empresa de referência mundial no setor de produção de vitaminas, com sede na Holanda. Como a ‘cereja do topo do bolo’, este produto também traz vitamina K K2VITAL®  da KAPPA BIOSCIENCE, uma empresa norueguesa e fornecedora global exclusiva de vitamina K2 na forma bioativa de menaquinona-7 ou MK-7.

Clique na imagem para ampliar

A importância dos AGPs Omega-3, da vitamina D e da vitamina K para a saúde mental

O efeito neuroprotector:

A partir de vários estudos científicos ficou demonstrado o efeito protector dos AGPs DHA e EPA em células nervosas, tanto em estudos em humanos [20] como em animais [21], e os seus mecanismos de acção investigados em maior detalhe em modelos de células in vitro [22]. Por exemplo, em um interessante estudo com ratos portadores de diabetes mellitus, se concluir que a suplementação na dieta com AGPs Omega-3 (especificamente DHA) foi capaz de prevenir a deterioração anatomofuncional dos neurónios, um quadro característico da neuropatia diabética [23], e também reduzir o stress oxidativo e as dificuldades de aprendizagem (modelo do labirinto aquático de Morris) em ratos com lesão cerebral traumática [24]. Em outro estudo se verificou que ratos alimentados com uma dieta pobre em DHA apresentavam importantes distúrbios de aprendizagem e da função cognitiva, efeitos que foram revertidos reintroduzindo DHA na dieta dos animais [25].

Outro estudo interessante se concentrou nos efeitos neuroprotectores dos AGPs Omega-3 para combater a doença de Alzheimer. Sabe-se que os pacientes com essa doença apresentam baixos níveis de DHA no plasma e nas membranas celulares [26]. Em modelos animais utilizando ratos portadores da doença de Alzheimer, foi verificado que uma dieta rica em AGPs Omega-3 EPA e DHA produzia uma redução no acúmulo de péptidos β-amilóide (peptídeo com acções neurotóxicas) em mais de 70% dos casos [27]. De facto, actualmente já se propõe a utilização de AGPs Omega-3 DHA e EPA como parte do tratamento de múltiplas neuropatologias, como a neuropatia diabética, a doença de Alzheimer, a doença de Parkinson [28, 29], a esclerose múltipla [30] e a depressão [31].

 

A produção de serotonina e os transtornos mentais:

A serotonina é um neurotransmissor fundamental do sistema nervoso. Os processos comportamentais e neuropsicológicos modulados pela serotonina incluem: humor, percepção, recompensa, raiva, agressão, apetite, memória, sexualidade e atenção. Níveis baixos de serotonina no organismo estão implicados em diferentes problemas mentais, como a depressão, a perturbação de hiperatividade e défice de atenção (PHDA), o autismo, o transtorno bipolar e a esquizofrenia [32, 33]. Mesmo vários aspectos importantes do comportamento humano, como tomada de decisão e a impulsividade estão também ligados ao deficit de serotonina. Devido a importância deste neurotransmissor, a comunidade científica tem se debruçado sobre este problema no sentido de investigar quais factores podem influenciar a sua produção no organismo. Neste sentido, se descobriu que a vitamina D é fundamental na regulação da conversão do triptofano (um aminoácido essencial) em serotonina. Ademais, se observou que o AGP Omega-3 EPA também é importantes para aumentar a quantidade de serotonina no organismo. Tal ocorre através da redução que este produz no nível de prostaglandinas da série 2 no organismo. Estas prostaglandinas são responsáveis por produzir sinais inflamatórios no cérebro que que inibem a liberação de serotonina. O AGP Omega-3 DHA também participa da acção de vários receptores de serotonina, tornando-os mais acessíveis à este neurotransmissor, aumentando a fluidez da membrana celular dos neurónios [33].

Outro componente importante da fórmula do Nutribiolite OMEGA-3 + D3 + K2-7 é a vitamina K. Esta vitamina está envolvida na síntese de esfingolipídios, que são importantes constituintes das membranas celulares das células nervosas e as principais moléculas sinalizadoras de lipídios, que desempenham um papel fundamental no comportamento motor e cognitivo humano [34]. Os esfingolipídeos participam em processos importantes, como divisão, diferenciação e envelhecimento celular, bem como na interacção entre as células. As alterações no metabolismo dos esfingolipídios têm sido associadas ao comprometimento cognitivo e ao desenvolvimento de doenças neurodegenerativas. Ademais, os estudos indicam que a vitamina K também pode ter um papel protector contra o estresse oxidativo nas membranas de mielina, independentemente de seu papel nas membranas neuronais [35].

Relativamente à prevenção do acúmulo de placas de péptidos β-amilóide no cérebro, temos um artigo interessante falando sobre nosso novo nootrópico sem cafeína, o MINFIRE. Também falamos sobre a síntese da serotonina no organismo em outro artigo sobre o 4SLEEP. Recomendamos a combinação desses dois produtos com OMEGA-3 + D3 + K2-7 para auxiliar na prevenção de doenças neurológicas.

A combinação de Omega-3, vitamina D e vitamina K para a saúde dos ossos.

Entre as vitaminas envolvidas na remodelação óssea, a vitamina D merece especial atenção por ser imprescindível para a absorção e utilização do cálcio. Ademais, esta vitamina actua sobre os osteoblastos, favorece a formação de várias proteínas da matriz óssea e modula o crescimento ósseo, inibindo sua degradação [36]. Por sua vez, a vitamina K está envolvida nos processos de gama-carboxilação necessários à síntese de várias proteínas da matriz óssea, das quais a osteocalcina é a mais abundante e conhecida, responsável pela integração do cálcio [37-39]. Os AGPs Omega-3 são benéficos para a saúde óssea modulando a actividade dos osteoclastos e osteoblastos controlando os processos inflamatórios e o metabolismo do cálcio [40-42]

A importância da vitamina K para a regulação da coagulação do sangue.

Outra função importante da vitamina K é a formação de factores de coagulação, essenciais para a regulação da coagulação do sangue. O processo de coagulação do sangue depende da activação em cascata de uma série de factores de coagulação (proteínas específicas) responsáveis por interromper as hemorragias através da formação de coágulos. Na activação dos sete factores de coagulação existentes, a vitamina K desempenha um papel decisivo como cofactor de uma enzima que catalisa a carboxilação de certos resíduos de ácido glutâmico nos factores coagulação para formar gama-carboxiglutamato (GLA) [39, 43]

O Omega-3 na prevenção de doenças cardiovasculares

Os primeiros dados que evidenciaram os efeitos cardioprotectores dos AGPs Omega-3 em humanos, surgiram de estudos realizados em esquimós (os inuits), que apesar de terem uma alta ingestão de gordura (maior que 30% das necessidades energéticas), tinham um nível muito baixo incidência de doenças cardiovasculares. Os esquimós possuem uma dieta principalmente caracterizada pelo consumo de pescado (mamíferos e peixes ricos em AGPs Omega-3) [44].

Dentre as doenças cardiovasculares, a aterosclerose é um processo fisiopatológico de origem multifactorial com desenvolvimento a longo prazo. Dois componentes principais se destacam neste processo; a dislipidemia (níveis elevados de triglicerídeos e colesterol) e a inflamação. Foi demonstrado que os óleos de peixe reduzem o colesterol plasmático e os níveis de triglicéridos através da inibição da lipoproteína de densidade muito baixa (VLDL) e da biossíntese de triglicéridos no fígado, sem alterar a biossíntese de lipoproteína de alta densidade (HDL) [45].

  1. Armas, L.A., B.W. Hollis, and R.P. Heaney, Vitamin D2 is much less effective than vitamin D3 in humans. J Clin Endocrinol Metab, 2004. 89(11): p. 5387-91.
  2. Calder, P.C., n-3 polyunsaturated fatty acids, inflammation, and inflammatory diseases. Am J Clin Nutr, 2006. 83(6 Suppl): p. 1505s-1519s.
  3. Trebble, T.M., et al., Prostaglandin E2 production and T cell function after fish-oil supplementation: response to antioxidant cosupplementation. Am J Clin Nutr, 2003. 78(3): p. 376-82.
  4. Simopoulos, A.P., Omega-3 fatty acids in inflammation and autoimmune diseases. J Am Coll Nutr, 2002. 21(6): p. 495-505.
  5. Sampath, H. and J.M. Ntambi, Polyunsaturated fatty acid regulation of genes of lipid metabolism. Annu Rev Nutr, 2005. 25: p. 317-40.
  6. Yates, C.M., P.C. Calder, and G. Ed Rainger, Pharmacology and therapeutics of omega-3 polyunsaturated fatty acids in chronic inflammatory disease. Pharmacol Ther, 2014. 141(3): p. 272-82.
  7. Lapillonne, A., S.D. Clarke, and W.C. Heird, Polyunsaturated fatty acids and gene expression. Curr Opin Clin Nutr Metab Care, 2004. 7(2): p. 151-6.
  8. Sessler, A.M. and J.M. Ntambi, Polyunsaturated fatty acid regulation of gene expression. J Nutr, 1998. 128(6): p. 923-6.
  9. Camuesco, D., et al., Intestinal anti-inflammatory activity of combined quercitrin and dietary olive oil supplemented with fish oil, rich in EPA and DHA (n-3) polyunsaturated fatty acids, in rats with DSS-induced colitis. Clin Nutr, 2006. 25(3): p. 466-76.
  10. Nieto, N., et al., Dietary polyunsaturated fatty acids improve histological and biochemical alterations in rats with experimental ulcerative colitis. J Nutr, 2002. 132(1): p. 11-9.
  11. Hurst, S., et al., Dietary fatty acids and arthritis. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids, 2010. 82(4-6): p. 315-8.
  12. Szymanski, K.M., D.C. Wheeler, and L.A. Mucci, Fish consumption and prostate cancer risk: a review and meta-analysis. Am J Clin Nutr, 2010. 92(5): p. 1223-33.
  13. Martins de Lima-Salgado, T., et al., Modulatory effect of fatty acids on fungicidal activity, respiratory burst and TNF-α and IL-6 production in J774 murine macrophages. British Journal of Nutrition, 2011. 105(8): p. 1173-1179.
  14. Burdge, G.C., Metabolism of alpha-linolenic acid in humans. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids, 2006. 75(3): p. 161-8.
  15. Brenna, J.T., Efficiency of conversion of alpha-linolenic acid to long chain n-3 fatty acids in man. Curr Opin Clin Nutr Metab Care, 2002. 5(2): p. 127-32.
  16. Plourde, M. and S.C. Cunnane, Extremely limited synthesis of long chain polyunsaturates in adults: implications for their dietary essentiality and use as supplements. Appl Physiol Nutr Metab, 2007. 32(4): p. 619-34.
  17. Gerster, H., Can adults adequately convert alpha-linolenic acid (18:3n-3) to eicosapentaenoic acid (20:5n-3) and docosahexaenoic acid (22:6n-3)? Int J Vitam Nutr Res, 1998. 68(3): p. 159-73.
  18. Sánchez, A.M., et al., Informe del Comité Científco de la Agencia Española de Consumo, Seguridad Alimentaria y Nutrición (AECOSAN) sobre objetivos y recomendaciones nutricionales y de actividad física frente a la obesidad en el marco de la Estrategia NAOS. Revista del comité científico de la Agencia Española de Consumo, Seguridad Alimentaria y Nutrición (AECOSAN), 2015. 19: p. 95-209.
  19. Scientific Opinion on the Tolerable Upper Intake Level of eicosapentaenoic acid (EPA), docosahexaenoic acid (DHA) and docosapentaenoic acid (DPA) – EFSA Panel on Dietetic Products, Nutrition and Allergies (NDA). EFSA Journal, 2012. 10(7).
  20. Mozaffarian, D., et al., Cardiac Benefits of Fish Consumption May Depend on the Type of Fish Meal Consumed. Circulation, 2003. 107(10): p. 1372-1377.
  21. Lauritzen, I., et al., Polyunsaturated fatty acids are potent neuroprotectors. The EMBO journal, 2000. 19(8): p. 1784-1793.
  22. Högyes, E., et al., Neuroprotective effect of developmental docosahexaenoic acid supplement against excitotoxic brain damage in infant rats. Neuroscience, 2003. 119(4): p. 999-1012.
  23. Mayurasakorn, K., et al., Docosahexaenoic acid: brain accretion and roles in neuroprotection after brain hypoxia and ischemia. Curr Opin Clin Nutr Metab Care, 2011. 14(2): p. 158-67.
  24. Gerbi, A., et al., Fish Oil Supplementation Prevents Diabetes-Induced Nerve Conduction Velocity and Neuroanatomical Changes in Rats. The Journal of Nutrition, 1999. 129(1): p. 207-213.
  25. Wu, A., Z. Ying, and F. Gomez-Pinilla, Dietary omega-3 fatty acids normalize BDNF levels, reduce oxidative damage, and counteract learning disability after traumatic brain injury in rats. J Neurotrauma, 2004. 21(10): p. 1457-67.
  26. Catalan, J., et al., Cognitive deficits in docosahexaenoic acid-deficient rats. Behav Neurosci, 2002. 116(6): p. 1022-31.
  27. Söderberg, M., et al., Fatty acid composition of brain phospholipids in aging and in Alzheimer’s disease. Lipids, 1991. 26(6): p. 421-5.
  28. Bazan, N.G., Cell survival matters: docosahexaenoic acid signaling, neuroprotection and photoreceptors. Trends Neurosci, 2006. 29(5): p. 263-71.
  29. Calon, F. and G. Cole, Neuroprotective action of omega-3 polyunsaturated fatty acids against neurodegenerative diseases: evidence from animal studies. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids, 2007. 77(5-6): p. 287-93.
  30. Mehta, L.R., R.H. Dworkin, and S.R. Schwid, Polyunsaturated fatty acids and their potential therapeutic role in multiple sclerosis. Nat Clin Pract Neurol, 2009. 5(2): p. 82-92.
  31. Rondanelli, M., et al., Long chain omega 3 polyunsaturated fatty acids supplementation in the treatment of elderly depression: effects on depressive symptoms, on phospholipids fatty acids profile and on health-related quality of life. J Nutr Health Aging, 2011. 15(1): p. 37-44.
  32. Cook, E.H. and B.L. Leventhal, The serotonin system in autism. Curr Opin Pediatr, 1996. 8(4): p. 348-54.
  33. Patrick, R.P. and B.N. Ames, Vitamin D and the omega-3 fatty acids control serotonin synthesis and action, part 2: relevance for ADHD, bipolar disorder, schizophrenia, and impulsive behavior. The FASEB Journal, 2015. 29(6): p. 2207-2222.
  34. Ferland, G., Vitamin K, an emerging nutrient in brain function. Biofactors, 2012. 38(2): p. 151-7.
  35. Denisova, N.A. and S.L. Booth, Vitamin K and sphingolipid metabolism: evidence to date. Nutr Rev, 2005. 63(4): p. 111-21.
  36. Christakos, S., et al., Vitamin D endocrine system and the intestine. BoneKEy reports, 2014. 3: p. 496-496.
  37. Weber, P., Vitamin K and bone health. Nutrition, 2001. 17(10): p. 880-7.
  38. van Ballegooijen, A.J., et al., The Synergistic Interplay between Vitamins D and K for Bone and Cardiovascular Health: A Narrative Review. Int J Endocrinol, 2017. 2017: p. 7454376.
  39. Wen, L., et al., Vitamin K‑dependent proteins involved in bone and cardiovascular health (Review). Mol Med Rep, 2018. 18(1): p. 3-15.
  40. Farina, E.K., et al., Protective effects of fish intake and interactive effects of long-chain polyunsaturated fatty acid intakes on hip bone mineral density in older adults: the Framingham Osteoporosis Study. Am J Clin Nutr, 2011. 93(5): p. 1142-51.
  41. Kruger, M.C. and D.F. Horrobin, Calcium metabolism, osteoporosis and essential fatty acids: a review. Prog Lipid Res, 1997. 36(2-3): p. 131-51.
  42. Kruger, M.C., et al., Calcium, gamma-linolenic acid and eicosapentaenoic acid supplementation in senile osteoporosis. Aging (Milano), 1998. 10(5): p. 385-94.
  43. Shearer, M.J. and P. Newman, Recent trends in the metabolism and cell biology of vitamin K with special reference to vitamin K cycling and MK-4 biosynthesis. J Lipid Res, 2014. 55(3): p. 345-62.
  44. Petrova, S., et al., The global availability of n-3 fatty acids. Public Health Nutr, 2011. 14(7): p. 1157-64.
  45. Alessandra Manerba, E.V., Marco Metra, Livio Dei Cas, n-3 PUFAs and cardiovascular disease prevention. Future Cardiology, 2010. 6(3): p. 343-350.
.